O Paulo Schwartzman

O Paulo Schwartzman

Aquele que se define se limita.

É muito difícil explicar a complexidade de toda uma vida em breves palavras. Isso porque, de uma forma ou de outra, há uma miríade de nuances que ficarão de fora do alcance do leitor, por isso desde já convido-os a me acompanharem mais de perto em minha rede social.

De todo modo, tentarei nas próximas linhas contar um pouco sobre a minha trajetória e sobre alguns fatos marcantes que acabaram por moldar a pessoa que hoje sou e que de alguma forma me trouxeram até aqui. Boa leitura!

Desde que era pequeno sempre fui uma pessoa muito intensa, aliás, esta é uma característica que as pessoas mais próximas de mim costumam mencionar até os dias de hoje. Isso significa que, quando me proponho a fazer algo, eu não poupo esforços para atingir os meus objetivos.

Essa característica me ensinou desde cedo um dos meus axiomas principais “cada escolha implica uma renúncia”. Inclusive, se você me conhece ao vivo, ou me acompanha há algum tempo, já deve ter ouvido essas palavras algumas vezes.

Conforme fui crescendo o interesse pelo Direito veio junto. A ideia de conseguir de alguma forma transformar o mundo em que vivemos fez parte das motivações centrais para a escolha pela carreira jurídica.

Consegui, por uma mistura de muito apoio, carinho, algum mérito e sorte, ser aprovado para o curso de Direito na USP em minha primeira tentativa, enquanto ainda tinha 17 anos. Mal sabia eu o que a faculdade me proporcionaria.

Mas calma leitor, não estou a dizer dos conhecimentos jurídicos adquiridos, estes que foram, por óbvio de muita importância para a minha formação. Estou a dizer especificamente sobre o fato de ter encontrado minha eterna parceira, Daniela, em uma das aulas que tivemos na graduação.

Em questão de experiências durante a faculdade, posso dizer que estagiei em mais de seis locais diferentes, passando desde o Juizado Especial Cível do Tatuapé, onde laborei de forma voluntária, atuando principalmente como conciliador, até o gabinete de um prestigiado Desembargador do TJ/SP, onde redigia minutas de votos. Na iniciativa privada, pude ter a chance de experimentar o estágio na área cível em geral, bem como nas áreas de ambiental, mineração e energia.

Todas as experiências acima foram muito importantes para a minha formação atual, mas não poderia deixar de anotar com carinho especial a passagem que tive pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo. Lá eu consegui “sentir o cheiro do Direito”, entendendo de forma mais pormenorizada o quão importante são os mecanismos jurídicos para as pessoas mais vulneráveis, estas que acabam por ser mais afetadas pelas mudanças conjunturais e estruturais que acontecem na sociedade.

Foi durante tal estágio, e em consideração à estabilidade que a carreira pública poderia proporcionar (à época não se falava em Reforma Administrativa), que prestei o concurso para Escrevente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, concurso esse no qual passei entre os 50 primeiros dentre mais de 140 mil candidatos.

Foi justamente nessa função que conheci a magistrada que, acreditando em meu potencial, nomeou-me para ser seu assessor, cargo que ocupo até hoje. Parece que foi ontem, mas já se passaram mais de 5 anos de convívio e de trabalho, pelo qual sou muito grato pela experiência e, sobretudo, amizade.

Voltando para a questão família, eu e Daniela nos casamos jovens, com 23 anos, e a partir de então a família só cresceu, com a adoção de nossa cachorra Blue e de nosso gato Rex. Nesse ponto quem já os conheceu sabe que lido com doses alarmantes de fofura diária.

E por fim chegamos aqui, momento no qual a história ainda está sendo construída. Vamos juntos?

O Paulo Schwartzman é formado em Direito pela USP. Assessor de juiz há 5 anos. Especialista em Direito Civil. Aprovado no 1º exame da OAB que prestou, enquanto ainda na faculdade. Mestrando em Estudos Brasileiros pela USP.